Maranhão registra mais de 600 casos de malária em 2018

06.08.2018

Fonte:

O estado já tinha conseguido reduzir 98% dos casos, mas agora especialistas alertam para o risco da doença voltar.

 

Dr. Antonio Rafael da Silva (Foto: Reprodução/TV Mirante)

 

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), de janeiro até julho deste ano já foram confirmados 638 casos de malária no Maranhão. O estado já tinha conseguido reduzir 98% dos casos no passado, mas agora especialistas alertam para o risco da doença voltar.

 

“Em uma fase de eliminação nós esperamos que a doença vá diminuindo até chegar a eliminação. Mas em 2017 a malária aumentou e a tendência em 2018 é aumentar também”, afirmou o Dr. Antonio Rafael da Silva, membro do Comitê Nacional de Combate a Malária.

 

No ano passado, mais de 193 mil casos da doença foram notificados no Brasil, sendo 958 no Maranhão. O Dr. Antonio Rafael diz que é preciso reforçar a vigilância porque a maioria dos casos vieram de fora do estado.

 

“Se você não tiver um sistema vigilante para receber as pessoas de fora e fazer um diagnóstico para não disseminar, há problemas. A gente tem detectado que vários lugares no interior do Maranhão a malária era intensa, mas se desmobilizou", afirmou.

 

A malária

 

O mosquito Anopheles parece um pernilongo e pode transmitir a malária durante uma picada se tiver infectado pelo parasita da doença. Dentro do ser humano, o parasita vai primeiro para o fígado, se multiplica ao ponto das células se romperem e os parasitas invadirem a corrente sanguínea. Depois surgem os sintomas da infecção, que parecem com os da gripe.

 

Febre

- Calafrio

- Dor nas articulações

- Dor de cabeça

- Vômito

- Convulsão

 

Mosquito transmissor da malária (Foto: Reprodução/TV Mirante)

 

Apesar do controle do vetor ser de responsabilidade dos municípios, algumas medidas individuais ajudam a combater a malária, como usar repelente, telas e proteção em janelas e evitar locais próximos aos criadouros do mosquito, como a beira dos rios. O diagnóstico da doença é feito através de um exame na ponta dos dedos.

 

“Mas se não for feito um diagnóstico rápido, a cada dia que passa o quadro se agrava porque o parasita vai para o sangue da pessoa e destrói as hemácias e pode levar o indivíduo á morte ou causar problemas cerebrais, hepáticos ou renais", informou o Dr. Antonio Rafael.

 

Sobre os casos de malária no Maranhão, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou que realiza a capacitação dos agentes municipais e tem mantido o fornecimento regular de inseticidas e medicamentos usados nas ações de combate à doença nos municípios. A SES disse ainda que as cidades com maior incidência de malária no estado são: Centro Novo, Zé Doca e Jenipapo dos Vieiras.

 

Fonte: www.g1.com

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

RN TEVE 2,3 MIL PICADAS DE ESCORPIÕES

04.01.2019

1/10
Please reload

Posts Recentes

15.10.2019

Please reload

Arquivo